FAQS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TERAPIA POR ONDAS DE CHOQUE

O que é a terapia por ondas de choque (TOC)?
A Terapia por Ondas de Choque (TOC), do inglês Shock Wave Theraphy (SWT) é uma opção terapêutica não invasiva, para tratamento de diversas patologias (do foro músculo-esquelético; urológico; dermatológico; da cardiologia e da medicina estética) com efeitos secundários mínimos, apresentando-se como uma alternativa à intervenção cirúrgica.

Ondas de choque: o que são?
Ondas de choque é um termo usado para referir um impulso de tensão mecânico, que requer um meio elástico para propagação, podendo este meio ser o ar, a agua ou tecido biológico. Elas aparecem naturalmente na ocorrência de eventos explosivos como relâmpagos, tremores de terra ou então quando os aviões ultrapassam a barreira de som. São definidas como uma onda de pressão de grande amplitude. Portanto, são ondas acústicas, mecânicas, de curta duração. Na Terapia por Ondas de Choque (TOC) são geradas através de um aparelho próprio, usando técnicas especiais e focalizam-se numa determinada área ou ponto a ser tratado.

Existe alguma relação entre as ondas de choque e os ultra-sons?
Sim, mas apesar da sua relação, as ondas de choque têm características diferentes, estas diferem do ultra-som na medida em que têm grandes amplitudes de pressão e são representadas por um único pulso positivo seguido de uma pequena onda de tensão.

Que tipos de ondas de choque existem?
Dependendo do tipo de equipamento utilizado, pode ser gerada uma onda de choque focal ou radial. Cada uma com características especificas. O tratamento por ondas de choque (Shock Wave Theraphy (SWT)) pode, então, ser Focal/Planar ( Focused/Planar Shock Wave Therapy (ESWT/PSWT)) ou Radial (Radial Shock Wave Therapy (RSWT)).
Também pode ser usado o termo EPAT (Extracorporeal Pulse Activation Theraphy) na referência à terapia radial visto que, do ponto de vista físico, não está correta a designação “ondas de choque” pois tratam-se de ondas de pressão. Apenas são chamadas ondas de choque radiais devido ao facto de terem indicações e resultados muito similares.

Qual a diferença entre ondas de choque focais e ondas de choque radiais/ondas de pressão radiais?
As ondas de choque focais são as ondas de choque convencionais, formadas com um gerador piezoelétrico, eletro-hidraulico ou eletromagnético (os únicos que produzem o efeito conhecido como ondas de choque).
As ondas de choque radiais, também designadas por ondas de pressão, têm fundamentos físicos diferentes. São produzidas pelo efeito de colisão de um projétil, impulsionado por ar comprimido, numa superfície metálica.
O mecanismo de ação das ondas de pressão ocorre por transferência de energia cinética no ponto de contacto, com um pico de pressão cerca de 10 vezes inferior às ondas de choque. As ondas de choque atingem a energia máxima em profundidade, num ponto focalizado, enquanto as ondas de pressão têm apenas expressão em estruturas mais superficiais.
É possível combinar tratamento por ondas de choque focais e radiais.

Qual o mecanismo de ação das ondas de choque?
As ondas de choque atuam através de uma ação mecânica que induz uma ação biológica que vai alterar a permeabilidade celular e induzir um aumento da concentração de fatores de regeneração tecidual e fatores de regeneração vascular no local estimulado. Realça-se como efeitos biológicos o estímulo da osteogénese, a indução da neovascularização e o efeito neuromodulador.

Quais os efeitos biológicos das ondas de choque?
Como efeitos biológicos das ondas de choque evidencia-se o estímulo da osteogénese, a indução da neovascularização e o efeito neuromodulador. Para além de estimular os osteoclastos e fibroblastos o tratamento com ondas de choque permite a reconstituição dos tecidos afetados, promovendo uma correta cicatrização de tendões e ligamentos; aumenta o fluxo de sangue na área lesada, controla o processo inflamatório e diminui a dor.

Quais as indicações terapêuticas das ondas de choque?
Tendo em consideração as evidências e a consistência dos vários estudos científicos, atualmente a intervenção com ondas de choque passou a ser considerado um meio de tratamento de primeira linha em diversas patologias. São indicadas no tratamento de:

  • Tendinopatias
    • Tendinopatia calcificada do ombro
    • Epicondilite lateral do cotovelo (cotovelo de tenista)
    • Síndrome de dor trocantérica
    • Tendinopatia patelar
    • Tendinopatia do tendão de Aquiles
    • Fasceíte plantar
    • Tendinopatia do manguito rotador, sem calcificação
    • Epicondilopatia medial do cotovelo / Epitrocleíte / epicondilite interna / cotovelo de golfista
    • Tendinopatia dos adutores
    • Bursite do joelho (teno-bursite da pata de ganso)
    • Tendinopatia peroneal
    • Tendinopatias do pé e do tornozelo
  • Patologias ósseas
    • Cura óssea retardada
    • Fratura por stress
    • Necrose óssea avascular, sem desarranjo articular.
    • Osteocondrite Dissecante
    • Edema da medula óssea
    • Doença de Osgood Schlatter: Apofisite do tubérculo tibial
    • Canelite: Síndrome do stress tibial medial
  • Patologias Musculares
    • Síndrome Miofascial / Dor Miofascial
    • Ruturas musculares
  • Patologias músculo-esqueléticas
    • Osteoartrite (OA) / Artrite degenerativa / Doença articular degenerativa / Osteoartrose / Osteoartrite hipertrófica
    • Doença de Dupuytren
    • Fibromatose plantar (doença de Ledderhose)
    • Tenosinovite de Quervain / Síndrome de De Quervain
  • Trigger Points
  • Patologias neurológicas
    • Espasticidade
    • Polineuropatia
    • Síndrome do canal cárpico
  • Patologias urológicas
    • Síndrome da dor pélvica crônica (prostatite não bacteriana)
    • Disfunção erétil
    • Doença de Peyronie
    • Cálculos localizados no aparelho urinário
  • Patologias da Pele
    • Cicatrizes
    • Reparação tecidular em feridas abertas
    • Úlceras cutâneas
    • Queimaduras não circunferenciais
    • Celulite e flacidez
    • Estrias
  • Patologias cardíacas
    • Angina refratária
    • Angina de peito
    • Cardiopatia isquémica
    • Doença arterial coronária
  • Linfedema

Como é gerada a onda de choque?
As ondas de choque focais são formadas por geradores electro-hidráulicos, eletromagnéticos ou piezoelétricos, que produzem o efeito conhecido como onda de choque.
As ondas de choque radiais/ondas de pressão, são produzidas pelo efeito de colisão de um projétil, impulsionado por ar comprimido, numa superfície metálica, transmitindo ondas de pressão divergentes.

Quais as vantagens no tratamento por ondas de choque?
Como vantagens no tratamento por ondas de choque destacam-se os seguintes:

  • Método de tratamento não invasivo;
  • Sem cicatriz;
  • Pode ser feito em ambulatório;
  • Não é necessária preparação para a realização do tratamento;
  • Sem necessidade de anestesia;
  • Contraindicações e efeitos colaterais mínimos;
  • Maior rapidez de tratamento quando comparado com tratamentos convencionais;
  • Sem risco de alergias.

Quantas sessões e com que frequência se deve realizar o tratamento por ondas de choque?
O número de sessões e a frequência de tratamento depende da patologia e do seu estádio, bem como do tipo de equipamento e ondas de choque utilizadas.

Em que situações é recomendado o tratamento por ondas de choque?
O tratamento por ondas de choque (TOC) é recomendado para pacientes com diversas patologias. Ver FAQ “Quais as indicações terapêuticas das ondas de choque?

Quem pode efetuar o tratamento por ondas de choque?
Apenas profissionais qualificados (certificados por sociedades nacionais ou internacionais) podem usar terapia por ondas de choque para tratar patologias.

Existem contraindicações no tratamento com ondas de choque?
Sim. É contraindicado o tratamento por ondas de choque em:

  • Gravidas;
  • Focos infeciosos;
  • Portadores de distúrbios de coagulação;
  • Patologia cancerígena;
  • Próteses e/ou implantes na área a tratar;
  • Portadores de Pacemaker, na área a tratar;
  • Pulmões.

Quais os efeitos biológicos das ondas de choque?
Como efeitos biológicos das ondas de choque evidencia-se o estímulo da osteogénese, a indução da neovascularização e o efeito neuromodulador. Para além de estimular os osteoclastos e fibroblastos o tratamento com ondas de choque permite a reconstituição dos tecidos afetados, promovendo uma correta cicatrização de tendões e ligamentos; aumenta o fluxo de sangue na área lesada, controla o processo inflamatório e diminui a dor.

Qual o custo do tratamento por ondas de choque?
O custo do tratamento por ondas de choque depende do tipo de tratamento e do número de sessões necessárias.

Existem efeitos secundários/colaterais no tratamento por ondas de choque?
Quando bem indicado e aplicado, por um profissional habilitado, o tratamento apresenta efeitos colaterais mínimos. Pode ocorrer um ligeiro desconforto local, traduzido por dor (tolerável pela maioria dos pacientes). Em alguns casos, o desconforto pode prolongar-se durante algumas horas após o tratamento. Raramente, pode surgir eritema e edema no local do tratamento, estes são, frequentemente, autoeliminados. E, muito raramente, ocorre equimose, hematoma ou quadros de síndrome vagal.

O tratamento por ondas de choque é doloroso?
Em algumas situações, no tratamento por ondas de choque, pode haver um ligeiro desconforto, tolerável pela maioria dos pacientes. Como pode haver existência de dor no local do foco de aplicação é recomendável informar, previamente, o doente. Em determinados casos o desconforto pode prolongar-se durante algumas horas podendo surgir edema e eritema, mas que são muito frequentemente autoeliminados. Muito raramente, ocasiona equimose, hematoma ou quadros de síndrome vagal. Todavia, a intensidade do tratamento pode ser personalizada ao longo da sessão.

O tratamento com ondas de choque pode ser feito em simultâneo com outros tratamentos?
Para além do uso de anti-inflamatórios e crioterapia não se encontram relatos de outras restrições. No entanto, cabe a cada profissional avaliar o paciente e prescrever o tratamento mais adequado. Sugere-se que a aplicação de outros tratamentos seja prescrita num dia alternativo.

Que cuidados são recomendados depois do tratamento por ondas de choque?
Após o tratamento, geralmente é aconselhado o repouso de atividades físicas ou atividades que envolvam a área tratada. Todavia, o paciente poderá continuar com as suas rotinas.

Quer estar a par das novidades? Assine a nossa newsletter!